Arquitetura e História de Olinda

A cidade de Olinda é o destino de muitos foliões no período carnavalesco. Subir e descer as ladeiras seculares dessa cidade, sentir no rosto a brisa leve e morna e se deslumbrar com o quadro natural que mistura azul do céu, os verdes do mar e das árvores. ⠀

Olinda é: Arte, cultura, música, gastronomia, negócios e ARQUITETURA. A cidade tem uma estrutura arquitetônica dlinda. Que tal aproveitarmos que nesse período ela é a capital da alegria e conhecermos juntos alguns dos monumentos históricos da cidade?

A Catedral da Sé
O primeiro é este da foto, A Catedral da Sé que dedicada a Jesus Cristo como Salvador do Mundo, foi originalmente construída em taipa (barro), no ano de 1540. Depois, passou por reconstruções e reformas, sendo substituída por outro templo em 1584, maior, de alvenaria e com várias capelas secundárias. No ano de 1676, com a criação do Bispado de Olinda, a antiga matriz foi elevada à condição de Catedral. ⠀

Devido às diversas intervenções e reformas, a fachada do templo ficou descaracterizada do estilo original. Para corrigir tal situação, entre os anos de 1974 e 1976, a edificação foi restaurada, readquirindo até onde foi possível, suas feições originais de transição entre a Renascença e o Barroco (período maneirista).

A Catedral da Sé Metropolitana guarda ainda, em seu terraço, uma das mais encantadoras vistas das cidades-irmãs Olinda e Recife. ⠀

Um detalhe interessantíssimo é que todas as outras Igrejas construídas têm a frente voltada para a Catedral. (Fonte)

Basílica e Mosteiro de São Bento
A Basílica e Mosteiro de São Bento constituem um importante complexo arquitetônico barroco situado em Olinda, sendo tombado nacionalmente e, junto com grande parte do centro histórico da cidade, também como Patrimônio Histórico da Humanidade pela UNESCO.

O Mosteiro foi iniciado em 1597 e lá foi instalado o primeiro curso de direito do Brasil.

No espaço interno do mosteiro podem ser apreciadas peças de alto valor artístico, como sanefas de talha dourada, gradis de jacarandá, pinturas com episódios da vida de São Bento e retratos de velhos abades e mestres da Ordem Beneditina no país, além de um rico mobiliário. No claustro estão sepultados vários monges da abadia.

Casario Histórico
O que falar das residências históricas de Olinda? O Casario vai desde exemplares do Século XVI até o Século XX, com suas cores vibrantes.

Recebeu influência da arquitetura portuguesa, como construções com sacada em pedra ou madeira, fachadas contíguas com grandes quintais, de árvores frutíferas frondosas, dando um realce de clima tropical.

As casas do centro histórico são simplesmente “Oh! Lindas”.
Mercado da Ribeira
O Mercado da Ribeira data do século 16, e durante muito tempo foi um local de vendas de escravos – o mais antigo do Brasil a resistir ao tempo. Hoje o local abriga lojas de artesanato. O Mercado fica no alto de um dos morros de Olinda, de onde se tem uma vista da Igreja da Sé e dos quintais arborizados da Cidade de Olinda.

Entre os suvenirs que podem ser encontrados por lá, estão peças de barro, artigos de renda, couro e palha. Do outro lado da rua estão as ruínas do antigo Senado de Olinda, de onde, em novembro de 1710, Bernardo Vieira de Melo deu o primeiro grito pela independência do Brasil.

Além do artesanato, de tempos em tempos o Mercado da Ribeira recebe eventos de música e cultura popular, sempre gratuitos. Durante o período de Carnaval, é um dos redutos mais frequentados.

Igreja do Carmo
Mais conhecida como Igreja do Carmo, a Igreja de Santo Antônio do Carmo fica numa suave colina, logo na entrada, abençoando aos que chegam. É a mais antiga Igreja da Ordem Carmelita em terras do Brasil, datando de 1580.

Mas quando a cidade foi destruída pelos holandeses, no ano de 1631, a igreja e o convento sofreram sérios danos. A partir de 1654, com a expulsão dos invasores, os frades voltaram ao convento em ruínas e deram início à reconstrução. Em 1704, começaram as obras internas e foi erguido o cruzeiro em sua frente. A torre do lado sul foi concluída em 1726.

Nos anos de 1966 e 1968, foram realizados restauros já pelo Iphan, que devolveram à igreja seu traçado primitivo, que mostra a influência maneirista da escola de Vignola, mesclada a elementos barrocos.

A História de Olinda

Falamos sobre os principais monumentos da cidade de Olinda. Que tal para finalizar falando sobre a história da cidade?

Em 1534, a Coroa portuguesa instituiu o regime de Capitanias Hereditárias. A Capitania de Pernambuco foi entregue ao fidalgo português Duarte Coelho, que tomou posse de sua capitania desembarcando, em 9 de março de 1535.

Ele encontrou um sítio protegido pela altura descortinando o mar, com um porto natural formado pelos arrecifes, água em abundância e terras férteis, e fácil de defender, segundo os padrões militares da época. O local era tão aprazível, que, conta-se, o nome Olinda foi dado a partir de uma frase dita por Duarte Coelho: “Ó linda situação para se construir uma vila”. Não se sabe o dia da fundação de Olinda; só sabe-se que o povoado prosperou muito. ⠀

Em 16 de fevereiro de 1630, a Holanda invadiu Olinda e conquistou Pernambuco. Tomada a cidade, os holandeses se estabeleceram no povoado e ilhas junto ao porto e abandonaram Olinda. Em 24 de novembro de 1631, os holandeses incendeiam Olinda, após retirar os materiais nobres das edificações para construir suas casas no Recife, que começa a prosperar sob a administração holandesa. Em 27 de janeiro de 1654, os holandeses foram expulsos e iniciou-se a lenta reconstrução da Vila de Olinda.

A História de Olinda

Falamos sobre os principais monumentos da cidade de Olinda. Que tal para finalizar falando sobre a história da cidade?

Em 1534, a Coroa portuguesa instituiu o regime de Capitanias Hereditárias. A Capitania de Pernambuco foi entregue ao fidalgo português Duarte Coelho, que tomou posse de sua capitania desembarcando, em 9 de março de 1535.

Ele encontrou um sítio protegido pela altura descortinando o mar, com um porto natural formado pelos arrecifes, água em abundância e terras férteis, e fácil de defender, segundo os padrões militares da época. O local era tão aprazível, que, conta-se, o nome Olinda foi dado a partir de uma frase dita por Duarte Coelho: “Ó linda situação para se construir uma vila”. Não se sabe o dia da fundação de Olinda; só sabe-se que o povoado prosperou muito. ⠀

Em 16 de fevereiro de 1630, a Holanda invadiu Olinda e conquistou Pernambuco. Tomada a cidade, os holandeses se estabeleceram no povoado e ilhas junto ao porto e abandonaram Olinda. Em 24 de novembro de 1631, os holandeses incendeiam Olinda, após retirar os materiais nobres das edificações para construir suas casas no Recife, que começa a prosperar sob a administração holandesa. Em 27 de janeiro de 1654, os holandeses foram expulsos e iniciou-se a lenta reconstrução da Vila de Olinda.